O “Pai do Java” usa Jelastic

Robôs Oceânicos? Onde está o Java?

Em agosto do ano passado, após sair do Google, Gosling começou a gerenciar uma equipe na Califórnia para o projeto Liquid Robotics; o projeto Liquid Robotics visa coletar dados do oceano através de robôs. Muitas empresas americanas de pesquisas marinhas, setores governamentais e privados utilizam da informação provida por esses robôs. Os robôs Wave Gliders também conhecidos por (UMV) são do tamanho de uma prancha de surf. São movidos por energia solar; uma energia que existe em abundancia no mar para que os robôs não fiquem sem energia. Com essa fonte de energia é possível alimentar suas peças e sensores eletrônicos. Um fato interessante sobre o Wave Gliders é como ele utiliza as ondas também para gerar energia, dando a ele mais uma fonte de energia.

Por que os oceanos? E não o espaço?

A verdade é que sabemos mais sobre o espaço do que o próprio oceano em nosso planeta. Existem muitas razoes que justificam o investimento em aprender mais sobre o oceano: prever melhor o clima, entender melhor a influência do oceano no clima, estudar mais a vida marinha, descobrir mais animais marinhos. Os estudantes do SCAD fizeram o vídeo abaixo sobre o projeto Liquid Robotics para concorrer no Savannah Ocean Exchange’s Gulfstream Navigator Award e conseguiram a vitória. O prêmio foi reconhecido por: “projeto que impacta positivamente nossos oceanos e costas”. Gosling disse que “a Liquid Robotics tem um desafio interessante, que pode salvar o mundo e é economicamente viável – três interesses que normalmente não os vemos juntos”.

Video from SCAD for Liquid Robotics for the Savannah Ocean Exchange

O oceano é imenso e sua maior parte ainda não é conhecida. O oceano tem papel fundamental em nosso planeta e pouco é conhecido sobre ele. Os métodos atuais para colher informação sobre o mar são muito caros. Para ser ter uma idéia, um navio que coleta informações sobre o mar tem o custo de 100.000 dólares diários. E uma boia meteorológica tem o custo de dois milhões de dólares anuais, e a maior parte do gasto desse dinheiro é para o navio levar e realizar reparos na boia. E como seriam os eventos uma vez que pudéssemos prever furacões ou tsunamis? Nos dias atuais, é muito caro obter esse tipo dados para estudo; como seria se pudéssemos ter esse tipo de informação e ao mesmo tempo com um preço reduzido?

Essa é a ideia do projeto que Dr. James Gosling está comandando na Liquid Robotics.

Liquid Robotics e o Wave Glider

Basicamente o Wave Glider é uma plataforma oceânica com sensores. Para ser mais preciso é um veículo movido pela força da água que apresenta um novo conceito para coletar dados contínuos do oceano. Ele combina meios de movimentação tanto aquático como terrestre o que o torna um veículo hibrido. A parte debaixo do veículo é onde fica a parte do planador (Glider) do nome do veículo. O planador submarino fica preso por um cabo a parte que boia.

O Wave Glider utiliza a diferença do comportamento da água da superfície e da água abaixo da superfície para propulsão. Basicamente converte o movimento das ondas em energia para se movimentar. O mais interessante é que ele se move para frente independente da movimentação da água. Essa é a parte mais interessante do Wave Glider e faz com que seu objetivo de captar dados do oceano possível. Seu sistema de propulsão, ou melhor, o ato de converter as ondas em energia é o que o torna único. Com esse sistema de geração de energia, o Wave Glider tem propulsão infinita.

http://www.youtube.com/watch?v=TSUZbureE0A&feature=player_embedded#!

Uma onda que está levantando irá elevar a parte que flutua, e que por causa da corrente marítima irá fazer com que a parte que flutua se eleve. As asas, que são possíveis ver no vídeo acima, são articuladas de acordo com a pressão exercida pelos movimentos das ondas, impulsionando a parte flutuante para longe da onda. Isso causa a parte submersa a abaixar e movimentar as asas novamente, forçando a parte submersa para baixo e para frente empurrando a parte que flutua.

O Streaming da Telemetria

A parte do Wave Glider que Gosling está utilizando o Jelastic é a transmissão da telemetria. Uma vez que a informação é extraída do Wave Glider o sistema tem que tratá-la por completo; é nesse momento que o Jelastic é fortemente utilizado. O atual sistema que existe para tratar esses dados (que você pode ver no vídeo 4 minutos antes de falar do Jelastic) cita várias propriedades deste sistema:

  • É um sistema lightweight
  • Muito especializado
  • Não EE, sem JMS
  • Muito simples
  • Otimizado para pequenas coisas que flutuam
  • Todo material coletado tem que ser devidamente autenticado
  • Autenticação é muito importante, pois cada material de cada Wave Glider tem que ser tratado como materiais distintos.
  • Não ser um sistema com propósito genérico
  • A simplicidade é o maior objetivo
  • Que não seja problema de muito volume de informação: a informação tem que ser reduzida, pois cada 1kb de informação custa 1$ em média
  • Uma falha crítica deixaria frotas a boiar e a perda de milhares de dólares

Por que o Dr. Gosling está utilizando Jelastic e não Amazon, Google ou Microsoft?

Gosling disse que está tendo bastante cuidado para não utilizar nenhuma API ou ISPs. ISPs como a Amazon, segundo Gosling, “tem um numero de incidentes onde eles tiveram um número de bugs que tirou do ar (embaraçosamente) grande parte de sua infraestrutura”. Ele foi cuidadoso ao eliminar empresas como Amazon, GAE ou Microsoft Azure onde uma grande parte, e uma possível responsabilidade, da sua própria solução.

Gosling queria construir clusters que iriam atravessar os ISPs. Para fazer isso, ele tentou três PaaS diferentes, mas parou ao perceber o quando gostou do Jelastic, o quão bem funcionava para ele, a facilidade de configuração, o backend e a UI.

Gosling disse: “Eu realmente gostei do Jelastic. É atualmente um pacote de softwares que um grande número de ISPs estão utilizando. É um sistema de servidor de aplicações Java e por isso você não terá uma máquina Linux nua. O que você tem é um JavaEE container, onde você pode jogar o arquivo war e controlar pelo painel de controle. No painel de controle você encontra um slider que diz quantos clones do Glassfish você quer e seleciona os databases. Você não precisa ir até o Linux – Oh meu Deus, quão trabalhoso é instalar qualquer coisa: é como uma versão do Linux que é compatível com a versão do servidor. O Jelastic toma conta de tudo isso e o faz muito bem. Eu construí esses clusters onde eles podem atravessar diversos ISPs, múltiplos países, múltiplos datacenters, que é algo que eu cobro do meu pessoal com uma paranoia extrema da disponibilidade das coisas”.

Porque Jelastic é melhor?

Apesar das palavras do Dr. Gosling ter peso, vale a pena repetir que Jelastic não utiliza da mesma abordagem que os outros servidores de PaaS. Se você está preocupado com simplicidade, disponibilidade e descentralização Jelastic é a resposta mais fácil.

“Eu sou um usuário feliz” – Dr. Gosling

Enquanto isso o Dr. Gosling continuará a trabalhar em sua frota dos robôs marítimos.

Pessoal, por hoje é só.

Alguma dúvida/colocação basta postar. o_

12 thoughts on “O “Pai do Java” usa Jelastic

  1. Bom dia Hebert, estou encantado com seu blog, sou programador a 5 anos trabalho com Delphi e PHP(no bloco de notas até hj aff) e agora estou entrando no universo JAVA, este blog tem sido um repositório para mim, porem por mais que eu pesquise(e muito) algumas coisas ainda não entram na minha cabeça se você puder me ajudar, estou começando desenvolver algumas paginas em jsp e tentando entender a diferença para o jsf, e usando o servidor Tomcat, eu ainda não intendi o que é JBOSS kkk, parece ridículo mas não entendo para que preciso dele se ja tenho o Tomcat, agora com esse topico do Jelastic piorou para mim, já trabalhei com Cloud da RackSpace, usando um lindo SSH para configurar minhas meu CentOS, so que nesse jelastic isso não existe, lá so vejo minha instancia do mysql e do tomcat, o que roda por traz disso? e a segurança e a performace como vou lidar com isso???

    sei que isso foi mais um questionamento do que um comentário, mas quando pesquiso JAVA, acha tantos termos que não intendo, tantas variações de ferramentas para as mesmas coisas tantos termos paralelos, e opiniões diversas sobre as ferramentas.

    Abraço, e bom trabalho.

    • Rodolfo, boa tarde.

      O JBoss é um servidor mais “parrudo”. Ele tem diversas funcionalidades que o Tomcat não tem.

      Tomcat/Jetty são servidores leves, que rodam aplicações que não utilizam tantos recursos.

      JBoss/Glassfish são servidores pesados, para aplicações que geralmente utilizam EJB.

      Jelastic é um “agrupador/escalador”. Se uma instância de Tomcat não está aguentando o tranco, aperte um botão do Jelastic e ele irá criar outra instância. Desse modo, você terá dois Tomcats rodando ao mesmo tempo.

      Espero ter ajudado.

      Até mais.

      • Oi Hebert,

        O que você quis dizer exatamente quando escreveu “Se uma instância de Tomcat não está aguentando o tranco, aperte um botão do Jelastic e ele irá criar outra instância. Desse modo, você terá dois Tomcats rodando ao mesmo tempo” ?

        Primeiro, como faço isso que vc disse?
        Segundo, qual a necessidade de fazer isso? Já que o jelastic, pelo que eu pude perceber até agora, usa escalabilidade nas suas aplicações. Utilizando o jelastic não é como se sem perceber eu já estivesse utilizando um tomcat em clusters? Quando o jelastic “percebe” que a sua aplicação está precisando de mais de memoria e/ou processamento ele não já te fornece automaticamente esses recursos?

        Perdoe-me se disse alguma besteira. Estou começando a usar serviços na nuvem só agora. Até então só tinha configurado tomcats em servidores físicos. E também não manjo nada de clusters.

        Obrigado.

        • Renan, bom dia.

          Como você fazer eu não tenho como te orientar no momento, sei apenas a teoria por trás do Jelastic.

          A necessidade é a diferença em se ter 3 GB de Tomcat e uma instância rodando e se ter 3 Tomcats rodando com 1GB cada. É uma abordagem para melhorar o processamento de informações. [=

          Eu agradeço a visita e as perguntas.

          Sei por alto sobre o Jelastic, mas espero começar a entender melhor sobre ele esse ano ainda. =D

  2. Olá Hebert, também gostei bastante do seu blog e gostaria de acrescentar que a Websolute acaba de trazer o Jelastic para o Brasil. Exatamente no dia de hoje (12/12/12) estamos lançando o beta público, aberto a todos, para avaliação do Jelastic completamente implementado em infra-estrutura local, o que deve se traduzir em performance. Fica aqui o nosso convite para se juntar a nós nessa etapa.

    Um abraço.

Leave a Comment